domingo, 12 de fevereiro de 2012

Não chores que eu vou voltar

Quando eu era criança minha mãe cantava diversas músicas pra mim, mas uma delas sempre mexia comigo e me fazia chorar.

Confesso que até hoje faz. E não sei porque! Ou tenho uma leve idéia, talvez.

Ela diz assim:

"Passarinho na gaiola fez um buraquinho, voou, voou, voou, voou e a menina que gostava tanto do bichinho, chorou, chorou, chorou, chorou...

Sabiá fugiu pro terreiro, foi cantar no abacateiro e a menina pos-se a chamar: "vem cá, sabiá vem cá" . Sabiá de lá respondeu: "Não chores que eu vou voltar"

Talvez eu sempre soube que ela era a menina da história e que um dia eu seria o passarinho que saiu da gaiola para ver o mundo.

Acredito que, no fundo, ela estava me ensinando isso. Que serei sempre dela (minha mãe), mas que, sozinha, aprenderia a fazer um furo na gaiola para desbravar o desconhecido, nem que fosse o terreno ao lado, como o passarinho, ou um pouco mais longe.

Ela chora pedindo pra eu voltar, mas ela sabe que, assim como o passarinho eu também voltarei.

Esta semana completei 10 meses longe de casa. Foram os meses que mais aprendi na minha vida!!! Tratamento intensivo, terapia de choque, nomeiem como quiserem. Eu, particularmente, chamo de amadurecimento.

E sabe, não basta ser passarinho e saber como fugir da gaiola. Precisa aprender a voar!

E precisa voar sozinho, pois ninguem pode fazer isso por você!

Precisa de coragem pra deixar pra tras um coração chorando de saudades.

Tem que ter folego pra conseguir chegar alto e manter-se voando, aprendendo, amadurecendo.

Ou, como diria Fernando Anitelli: " Hoje eu vivo em paz sozinho. Muitos passarão. Outros tantos passarinhos. Muitos passarão"

Sim, também é preciso de paz.

E o mais importante de tudo, como ensinou minha amada tia (quem também cantava muitas músicas na minha infancia):

"A águia é a ave que voa mais alto, mas nasceu pequenina, num ninho. Tenha asas e olhos de águia, mas lembre-se sempre do ninho."

Ou seja, voe, voe alto, seja passarinho, ou seja águia. Não importa. Somente lembre-se sempre do ninho... e volte!







segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Skydiving - brincando de morrer

Entao a animacao e a gritaria se tornaram um silencio quase que mortal. Talvez fosse isso mesmo.

A sensacao era de morte, nao sentia frio, os olhos estavam fechados com medo do que estava por vir. Se e' que tinha algo por vir... nao sentia nada. Toda e qualquer emocao estavam bloqueadas.

Por 5 segundos pensei que tivesse morrido. Nos outros 25 segundos de queda livre descobri o que era viver.

Saltar de paraquedas foi a coisa mais estupida, porem mais emocionante que fiz em toda minha vida. Brinquei de morrer por 5 segundos, que foram os primeiros momentos apos me jogar de um aviao a 12 mil pes de altitude.

Apos abrir os olhos e perceber que ainda estava neste mundo, percebi o como ele e' ainda mais lindo visto la de cima!!!

Se faria isso de novo? Talvez!!! Brincar de morrer nao e' pra qualquer um!!!

video

domingo, 9 de outubro de 2011

No meio do caminho...

Que me perdoe Carlos Drummond de Andrade, mas vou distorcer suas palavras para descrever meus seis meses nessa aventura!

Bem disse ele que, no meio do caminho, tinha uma pedra. Estou no meio do meu caminho por aqui, e em mais 6 meses, retorno para o Brasil.

E sabe, ate agora foram muitas pedras no meu caminho. Porem, muitas flores também!

No meio do caminho tinha uma dificil despedida da familia e amigos, uma primeira hostfamily que nao era o que eu esperava, um processo de recolocaçao desesperador e muita, muita coragem!

No meio deste caminho tambem encontrei felicidade, amigos para toda a vida, experiencias inexplicaveis, lugares incriveis, novas sensações e sabores.

Tinham pedras no meu caminho, as quais consegui enfrentar. Algumas guardei no bolso, para nunca esquecer o que passei. Outras chutei para bem longe da minha vida. E ainda tiveram aquelas que eram grandes demais, entao desviei e mudei de direçao.

Como disse, tambem tinham flores no meio do caminho. E dessas nunca esquecerei mesmo! Aprendi a apreciar o aroma delas, inalando cada pedacinho de felicidade. Sao meu amigos, os momentos bons e tudo aquilo que me fez sorrir.

E o que mudou ate aqui? Tanto...

Estou me "redescobrindo", amadurecendo. Aprendi a me amar, me valorizar. Estou me conhecendo e me reconhecendo!

Troquei o cigarro pela academia, o "dia do bar" pelo "dia de aula", quantidade por qualidade e monotonia por novidades.

Pois é, metade do caminho já se passou. Que venha a proxima! (pq metade de mim é amor... e a outra também)

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Aprendendo a viver

Neste exato momento estou sentada no degrau da escadaria que leva a porta da frente da casa que vivo agora.

Atras de mim esta a porta, a frente, vida. Minha nova vida.

O que vejo e' um cachorro lindo, golden retriever, rolando na grama, tao feliz que parece que, se existisse um gas da alegria, ele estaria inalando com cada "fungada" que da na grama.

Vejo tambem duas pessoas que aprendi a amar como irmaos. O mais velho esta ensinando a mais nova a andar de skate. Ela tem medo, mas quer tanto seguir os passos do irmao, que se esforca para conseguir fazer manobras que parecem impossiveis.

Ele tambem esta me ensinando algumas coisas, como o meu irmao me ensinou. Falo de musicas, o bom e velho rock'n'roll que desaprendi a gostar depois de um relacionamento falido com um vocalista e, mais tarde, um guitarrista de bandas do tipo.

O meu hostdad, posso chama-lo de pai. Terceiro pai. Depois do meu amado genitor e meu avo.

Com ele aprendo a ser feliz. Nao existe tempo ruim. Alguns estresses de vez em nunca, mas sempre esta tudo bem para ele. Bem nao, otimo! Ele sorri para a vida.. e parece que ela retribui a felicidade, viu?!

A pequena e' a que me ensina mais coisas. Pois ela e' um espelho do meu passado.

Se essa "aventura" tem como objetivo o auto-conhecimento e amor proprio, estou alcancando o que procurava.

Me vejo nela, os erros, os cuidados excessivos que a tornam mimada. Porem, a imensidao de amor que a cerca, transformando-a numa menina carinhosa, educada, amavel e muito, muito esperta.

Ela sabe muito bem o que quer e vai atras. Com jeitinho ou birra ela consegue.

Sim, como eu sempre fui. Nunca lavei louca, roupa ou tirei o prato da mesa. Nunca precisei pegar algo pra comer. Sempre tive alguem fazendo tudo por mim.

As vezes penso que deveria interferir em algo, mas nao. Ela vai aprender um dia. E talvez nao seja muito dificil, ela e' guerreira. Ela e' como eu. Aprende facil.

A cada dia me descubro mais. Hoje descobri que aprendi a viver com pouco.

Durante quase todo o dia somos so' nos 3 (alias, 5, se contarmos os cachorros), a noite a "familia" fica completa.

Amigos? Poucos e raros, como pedra preciosa. Cuido de todos com muito carinho.

Aprendi a viver tambem com a saudade. A cada telefonema fecho meus olhos e consigo lembrar do cheiro dos meus pais, meu irmao me fazendo cocegas ou minha irma me chamando para ver algo interessante na tv.

Agora o que vejo na minha frente e' silencio. Que tambem aprendi a conviver.

Mas o melhor de tudo isso? Aprendi tambem a ser feliz!!!

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Morar fora de seu pai's

Não é apenas aprender uma nova língua.

Não é apenas caminhar por ruas diferentes ou conhecer pessoas e culturas diversificadas.

Não é apenas o valor do dinheiro que muda.

Não é apenas trabalhar em algo que você nunca faria no seu pais.

Não é apenas conquistar um diploma ou fazer um curso diferente.

Morar fora não é só fazer amigos novos e colecionar fotos diferentes.

Não é apenas ter horarios malucos e ver sua rotina se transformar diariamente.

Não é apenas aprender a se virar, lavar, passar, cozinhar.

Não é apenas comer comidas diferentes.

Não é apenas não ter que dar satisfações e ser dono do seu nariz.

Não é apenas amar o novo, as mudanças e tambem sentir saudades de pessoas queridas e algumas coisas do seu país.

Não é apenas a distância.

Não são apenas as novidades.

Não é apenas uma nova vista ao abrir a janela.

Morar fora é se conhecer muito mais.

É amadurecer e ver um mundo de possibilidades a sua frente.

É ver que é possivel sim, fazer tudo aquilo que você sempre sonhou e que parecia tão surreal.

É perceber que o mundo está na sua cara e você pode sim, conhece-lo inteiro.

É ver seus objetivos mudarem.

É mudar de idéia.

É colocar em prática.

É ter que mudar sua cabeça todos os dias.

É deixar de lado as coisas pequenas.

É saber tampar o seu ouvido.

É se valorizar.

É ver sua mente se abrir muito mais, em todos os momentos.

É se ver aberto para a vida.

É não ter medo de arriscar.

É colocar toda a sua fé em prática.

É ter fé.

É aceitar desafios constantes.

É querer voltar e não conseguir se imaginar no mesmo lugar.

Morar em outros paises é se surpreender com você mesmo.

É se descobrir e notar que na verdade, você não conhecia a fundo algo que sempre achou que conhecia muito bem:

VOCÊ MESMO!

Ps. nao sei quem e' a autora, mas adorei o texto!!!

domingo, 14 de agosto de 2011

Meu Dia dos Pais



Meu Dia dos Pais!!!!

Vai ser assim por um tempo. Mas, sabe de uma coisa??? E' tanto amor dessa familia que sinto daqui... 10450 km de distancia!!!






sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Num piscar de olhos

E 4 meses se passaram num piscar de olhos..

Num piscar de olhos? Nao.. pode parecer que foi rapido, mas vivi tantas coisas aqui e com tanta intensidade que posso dizer que esses 4 meses passaram como uma tartaruga manca apostando corrida.

Quatro meses atras deixei minha familia e amigos chorando no aeroporto, de saudades antecipadas, talvez de medo do que poderia acontecer comigo, nao sei.

Ha 4 meses atras cortei o cordao umbilical que me prendia aos costumes e manias que tinha. De nao arrumar a cama, nao ter que cuidar das minhas roupas ou de simplesmente nao ter que fazer o almoco.

Ha 4 meses atras me despedi das noitadas com amigos em segundas, ter;cas, quarta-feiras. Dos porres de tequila, do vicio do cigarro,

Comecei a acordar cedo, desaprendi a ficar horas em frente do computador. Descobri que amo pao de queijo (mais do que imaginava).

Estraguei muitas roupas, mas aprendi que nao pode lavar roupa branca com colorida/escura.

Conheci gente de boa e de ma fe. Selecionei as boas como meus novos amigos. Aprendi com as mas e as descartei.

Descobri tambem que faz sentido o ciso chamar "dente do juizo", pois um deles resolveu nascer.

Percebi que prefiro gastar meu dinheiro conhecendo e vivendo coisas novas do que guardar e pensar no futuro. Gosto de viver/sentir o agora, sem pensar no que vai acontecer amanha.

Nao sofro mais por antecipacao, aprendi a me amar MUITO e que o Universo conspira SIM a nosso favor. (quando esta disposto a isso)

Ha 4 meses atras me despedi da antiga Erica, dependente, que praticava a auto-sabotagem, que nao se amava acima de tudo, em muitos momentos futil... pra dar espaco pra nova Erica, esta que esta se descobrindo cada dia mais.

Nao digo que sou outra pessoa, nunca mudei ou mudarei minha essencia. Minha base ja foi construida e e' feita de amor, familia, respeito, amigos, que sao concretos, nunca mudarao.

Por isso celebro esses 4 meses, que nao passaram num piscar de olhos. Passaram num piscar de muitos olhos, muitas lagrimas, muitas alegrias, muitos momentos e muitas, muitas mudancas!!!